Dakar: brasileiros fecham participação com vitórias em etapas e luta por primeiras posições
19 de janeiro de 2024 | RALLY
COMPARTILHE
FacebookTwitterLinkedIn

A edição 2024 do Rally Dakar chegou ao fim nesta sexta-feira (19) em Yanbu (Arábia Saudita). A maior delegação brasileira na história da prova mostrou que o Brasil também é o país do off-road. Os 17 pilotos e navegadores que levaram o verde e o amarelo aos desertos sauditas venceram etapas, lutaram pelos primeiros lugares e deixaram marcada sua participação.

Eles confirmaram ainda o alto nível dos ralis cross-country no Brasil. Em especial o Sertões BRB, hoje a maior prova do gênero nas Américas, que tem ajudado a preparar nossos representantes para acelerar com destaque em desafios internacionais.

Lucas Moraes venceu etapa nos carros

Nos carros, Lucas Moraes estreou como piloto da equipe oficial Toyota Gazoo Racing, vencendo pela primeira vez uma etapa (a terceira do rally) e permanecendo no pódio até o penúltimo dia. Um problema incomum na suspensão dianteira fez com que ele e o navegador espanhol Armand Monleon perdessem mais de duas horas para o reparo. O que jogou a dupla do terceiro para o nono lugar final.

Um exemplo de como o Dakar pode ser cruel, mas que não apaga mais uma ótima participação de Lucas, bicampeão do Sertões BRB. O desempenho em seu segundo título (2022), aliás, foi o que abriu as portas para que o paulista chegasse à invejada condição de piloto de fábrica.

Mais destaques entre os brasileiros

Marcelo Gastaldi e Cadu Sachs venceram duas etapas na divisão Challenger dos UTVs (crédito: Rodrigo Barreto)

Cristian Baumgart / Beco Andreotti também fizeram bonito com o Prodrive Hunter T1+ da equipe X Rally, máquina que foi uma das atrações do Sertões BRB 2023. Fecharam o Dakar em 13° lugar nos carros. Marcos Baumgart/ Kleber Cincea, com o outro Hunter, andaram forte, até serem obrigados a abandonar por problemas mecânicos.

E o que dizer dos atuais campeões do Sertões entre os carros Marcelo Gastaldi e Cadu Sachs (Taurus T3 Max / BBR)? Eles encararam o Dakar na divisão Challenger dos UTVs e colocaram seu nome na história com duas vitórias de etapa. Completaram o Dakar na sétima posição. Quinto lugar para Gustavo Gugelmin, ao lado do piloto norte-americano Austin Jones, com o Can-Am Maverick XRS Turbo da equipe Can-Am Factory.

Gunter Hinkelmann e Fabrício Bianchini (Taurus T3 Max/ BBR) estrearam com bom desempenho na Challenger, mas os incidentes mecânicos os impediram de conquistar uma melhor classificação final.

Na divisão SSV dos UTVs (T3), Rodrigo Varela e Enio Bozzano (Can-Am Maverick XRS Turbo / BBR) venceram já na etapa de estreia do piloto, campeão do Sertões 2022 e filho de Reinaldo Varela. Para a dupla, largar no Dakar já foi uma vitória. O UTV que seria usado por eles foi embarcado em um navio obrigado a desviar do Mar Vermelho e do risco de ataques dos rebeldes Houthis.

Uma corrida contra o tempo começou no Natal para permitir sua participação. Um modelo semelhante foi conseguido em Portugal, mandado de avião e montado dias antes da vistoria e da largada.

Varela e Bozzano sofreram uma quebra na etapa 48h Chrono (de dois dias) e voltaram à prova pelo Dakar Experience, classificação alternativa que reúne competidores que abandonaram uma ou mais etapas).

Também na SSV, Cristiano Batista e o português Fausto Mota (Can-Am Maverick XRS Turbo/ Transmáquinas – South Racing) venceram uma etapa e fecharam o Dakar na sétima posição.

Participação positiva também de Jorge Wagenfuhr e Humberto Ribeiro, o Piauí. Com o Polaris RZR 1000 da equipe XTreme Plus, a dupla manteve um ritmo consistente e conseguiu terminar no 14° lugar.

Brasil em destaque também nos quadriciclos, com Marcelo Medeiros. Com retrospecto de quatro títulos no Sertões, o maranhense venceu três etapas e se mantinha no pódio até o acidente que o tirou da prova, no sétimo estágio.

Agora é aguardar pela participação destas feras no Sertões BRB 2024. A prova acontecerá este ano de 23 a 31 de agosto, com largada e chegada em Brasília. Mais do que nunca, a competição promete.